Museus Veneza - Palácio Ducal - Basílica de São Marcos - Teatro Fenice - gôndolas de Veneza - Veneza galerias de arte

 

O Palácio Ducal de Veneza

Palácio Ducal de Veneza Obra-prima da arte gótica, o Palácio Ducal é uma grandiosa estratificação de elementos construtivos e ornamentais: desde as antigas fundações, à estrutura do século XIV/XV do conjunto, aos conspícuos elementos renascentistas e aos faustosos sinais maneiristas.

 

É formado por três grandes edificações que englobaram e unificaram construções anteriores:

  • A ala da Bacia de São Marcos (que contém a Sala del Maggior Consiglio [Sala do Grande Conselho]) e que é a mais antiga, reconstruída a partir de 1340;
  • A ala da Praça (ex-Palácio da Justiça) com a Sala dello Scrutinio [Sala do Escrutínio], cuja reconstrução na forma actual começou a partir de 1424;
  • No lado oposto, a ala renascentista, com a residência do Doge e muitos gabinetes do governo, reconstruída entre 1483 e 1565

 

A entrada para o público do Palácio Ducal faz-se pela Porta del Frumento [Porta do Trigo] (assim denominada porque se encontrava ao lado do Ufficio delle Biade [Repartição da Aveia]) que se abre sob as arcadas da fachada do século XIV virada para a Bacia de São Marcos. No rés-do-chão encontra-se o Museu da Ópera; a área das antigas cozinhas do Doge, que hoje inclui também a cafetaria, está preparada para acolher exposições temporárias.

 

O percurso para as salas superiores do palácio passa, antes de mais, pelo extraordinário claustro e continua pelo Andar das Lógias e com a visita aos fabulosos quartos do Apartamento Ducal, no primeiro andar, e às Salas Institucionais que se repartem entre o segundo andar e o Andar das Lógias para, finalmente, terminar com a visita à Sala de Armas e às Prisões. São estes os itinerários propostos pelo Museu, que não seguem linearmente os andares individuais do palácio, mas delineiam, no seu interior, um percurso que sobe e desce atravessando-os várias vezes. A numeração das salas aqui indicada segue a mesma ordem. Há depois os Itinerários Secretos que não fazem parte do percurso normal do Palácio, mas que podem, no entanto, ser visitados à parte.